Artigos

  • 10.03.2015 - ESTUDO ACHA 15 NOVAS MUTAÇÕES QUE AUMENTAM RISCO DE CÂNCER DE MAMA

    Pesquisa envolveu a análise do DNA de 120 mil mulheres.
    Descoberta pode ajudar a criar novos testes para avaliar risco de câncer.

    Cientistas britânicos identificaram 15 novas regiões do DNA cuja mutação aumenta o risco de desenvolver câncer de mama, segundo um estudo publicado nesta segunda-feira (9) pela revista "Nature Genetics".

    A pesquisa eleva a 90 a quantidade de "hot-spots" (pontos quentes) do DNA humano nos quais a variação do código genético está ligada ao desenvolvimento da doença.

    Para elaborar o estudo, foram analisados os materiais genéticos de mais de 120 mil mulheres descendentes de europeus, algumas das quais desenvolveram a doença e outras não.

    Os dados recolhidos permitiram identificar 15 novos polimorfismos de nucleótido simples (SNP, em inglês) -variações de uma só base do DNA-, que disparam o risco de desenvolver esse tipo de câncer.

    "Estamos nos aproximando de um momento no qual podemos começar a estabelecer qual é o risco herdado de uma mulher de desenvolver câncer de mama a partir de testes para diversas variações genéticas", disse Montserrat García-Closas, professora do Institute of Câncer Research e co-autora do estudo.

    A pesquisadora ressaltou que o achado pode facilitar o desenvolvimento de novos testes para avaliar o risco de desenvolver câncer, ao acrescentar uma nova categoria de marcadores sobre os quais fazer os testes.

    "Cada um desses marcadores individuais tem um pequeno efeito sobre o risco de desenvolver a doença, mas combinando a informação de muitos deles poderíamos identificar com precisão quais mulheres podem desenvolver câncer de mama e implementar estratégias para preveni-lo", disse García-Closas.

    O professor da Universidade de Cambridge Doug Easton, que liderou a investigação, afirmou que a descoberta "é um novo passo adiante para montar o quebra-cabeça do câncer de mama".

    "Apresenta informações sobre como e por que o risco de desenvolvê-lo pode ser herdado. Os marcadores genéticos que encontramos podem nos ajudar a tomar medidas preventivas nas mulheres que mais necessitam", afirmou Easton.

    Fonte: G1 – Globo.com